Vamos falar sobre criatividade?

Hello! How are you? Hoje resolvi trazer a vocês um assunto diferente, mas que tem tudo a ver com nossas conversas semanais sobre Arte: o processo criativo. Afinal, como se dá a criatividade? Como ela é desenvolvida? Por definição, a criatividade é a capacidade de criar, de inventar novas coisas, de produzir algo original. É importante entendermos que ela se aprimora, precisa ser exercida sempre e qualquer pessoa é dotada de criatividade.

Sabemos que a criatividade é importante em diversas áreas de atuação como a arte, o design, a arquitetura, a publicidade, entre muitas outras. Ela se dá dentro de algumas etapas: atenção, fuga e movimento. A primeira etapa refere-se a observar o seu entorno, enxergar um problema ou uma lacuna de onde irá surgir sua oportunidade de gerar algo. A fuga se dá quando se pensa em alternativas para solucionar aquele problema/lacuna, exercitando sua mente, quebrando o bloqueio mental e fazendo as ideias surgirem. A última etapa, o movimento, trata de desenvolver essas ideias, fazendo associações, explorando possibilidades e então executando-as. É a hora de fazer a mudança acontecer.

O processo criativo pode ainda se dar pela invenção ou pela descoberta. A criatividade não é um dom dado apenas a alguns, nem é aprendida. Ela precisa ser sempre estimulada. Para isso, existem técnicas e diversas atividades que podem auxiliar você a renovar suas ideias e estar apto a produzir.

O Brainstorm é um termo que pode ser traduzido para uma “tempestade de ideias”. São atividades em grupo para expor ideias e unir experiências, gerando novas possibilidades e pensamentos. Ambientes culturais e que proporcionam inspiração, locais onde pessoas trabalham juntas explorando suas ideias também são espaços onde muito se pode absorver e transformar em criação sua. A inquietação, a busca pelo inédito, tudo isso estimula a criatividade, faz você pensar além do comum e avançar sempre.

Em viagens, onde produzi arte com grupos de pessoas, estimulei minha criatividade (Foto: Acervo pessoal)

É interessante lembrar que a criatividade nos serve em diversos âmbitos da vida, não apenas na produção concreta de algo. O processo criativo nos ajuda a resolver diversas questões ao longo da vida e buscar soluções para problemas, tirar proveito de situações que nos exigem um certo esforço. Em seu livro “Criatividade e processo de criação”, a artista e educadora Fayga Ostrawer defende a criação como uma forma de evitar a alienação do homem. Estudiosa com muitas contribuições para a arte, a autora também define a criatividade como algo inerente a todo ser humano.

Artista renomada, Fayga Ostrower tem importantes reflexões sobre o processo de criatividade (Imagem: Reprodução)

Ter momentos de reflexão e tranquilidade, sem a pressão de ter uma ideia urgente é importante e pode render bons pensamentos. A criatividade, porém, necessita do seu movimento e de uma rotina com a qual você possa manter sua mente sempre em exercício. É como já dizia o nosso tão admirado Pablo Picasso: “Que a inspiração chegue não depende de mim. A única coisa que posso fazer é garantir que ela me encontre trabalhando”.

Vamos às dicas de hoje?

A escolha do tema desta semana se deu pela minha atual leitura: o livro “, Criatividade e processo de criação”, de Fagya Ostrower. Recomendo a todos a leitura!

De 1 a 10 de junho, no Complexo Cultural Rosa dos Ventos, na Universidade Federal do Piauí (UFPI), acontece o Salão do Livro do Piauí (Salipi), o maior evento literário do nosso estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *