Uma modalidade capaz de tirar o fôlego: conheça a Pop Art!

Obra: Diamond Dust Shoes, de Andy Warhol

Salut! Como estão todos? Hoje vamos falar sobre um estilo pitoresco, que você, certamente, em algum momento da vida, já apreciou. A Pop Art é um movimento artístico que se utiliza de cores vivas, formas geométricas chamativas e da representação de imagens e símbolos de natureza popular.

Seu início remonta a década de 1950, quando, livremente inspirados pelo Dadaísmo, seus precursores decidiram dar voz a tudo aquilo que era concebido como cultura popular, ou mais comumente conhecida como cultura das massas. Assim, a interpretação de tudo que rodeava o cenário da época se tornou o combustível dessa forma de expressão e, por conseguinte, as imagens televisivas, cenas de cinema, informes publicitários, histórias em quadrinhos, dentre outras, transformaram-se em matéria-prima da produção artística. Nesse contexto, a Pop Art foi um marco, pois simbolizava o retorno da Arte Figurativa, quebrando os padrões do Expressionismo Alemão, que dominava aquele período.

O apogeu da Pop Art, por sua vez, aconteceu apenas na década seguinte, nos anos de 1960, quando se tornou uma febre na cidade de Nova York. Àquela época, não se poderia prever, mas aquele estilo tão inusitado seria uma influência gigantesca para as futuras produções gráficas, bem como aos desenhos relacionados à moda.

Engana-se, porém, quem pensa que a ousadia desse estilo existia apenas pelo intuito de quebras paradigmas. Essa forma de expressão tinha uma consciência social muito forte, visto que faz duras críticas aos hábitos de consumo exagerados da época, práticas estas que eram impulsionadas publicitariamente dentro das próprias ferramentas de comunicação das quais utilizavam como base para a produção artística.

Obra: John Lennon, por Andy Warhol

O maior representante desse segmento se trata de alguém que você, com certeza, também já ouviu falar, pois refere-se ao conhecidíssimo Andy Warhol. Warhol, em suas obras, buscava evidenciar a impessoalidade e a ausência de consistência nas imagens dos elementos cultuados pela sociedade capitalista. Desse modo, representou figuras simbólicas para a cultura pop, como estrelas do cinema e da música, assim como procurou retratar as próprias imagens de produtos amplamente conhecidos, estes, para ele, símbolos inerentes do vazio daqueles anos de euforia.

Obra: Campbells Soup, por Andy Warhol

O Brasil não fica de fora dessa discussão. A qui, a Pop Art também surgiu com caráter contestador, tendo como ponto de partida a existência de um regime ditatorial vigente dentro do país, o que catapultou esta arte à posição de veículo de crítica ao sistema. Um dos representantes dessa arte em terras brasileiras é o artista plástico Romero Britto, cujo trabalho é reconhecido internacionalmente e suas formas possuem particularidades que são praticamente impossíveis de não identificar.

Obra: Mona Cat, por Romero Britto

A Montmartre não fica de fora desta modalidade! Temos como destaque a artista cearense Luciana Severo, cujas obras são marcadas por temas de caráter popular, assim como amor pelas representações da região Nordeste do Brasil.

Mas e vocês? O que acham desse estilo tão importante e revolucionário, da sua própria maneira? Amarei saber a sua opinião!

Para finalizar, vamos às nossas dicas!

  • O livro “Pop Art”, de Tilman Osterwold, e o documentário “Andy Warhol: A Documentary Film” são boas alternativas para quem deseja aprofundar seus conhecimentos sobre o estilo que debatemos hoje.
  • Enquanto isso, o projeto Artes de Março continua em exposição no Teresina Shopping até o final do mês de março.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *