As formas fascinantes do Cubismo

Salut! Como estão todos esta semana?  Nosso assunto hoje é uma importante tendência no mundo da arte e uma das mais conhecidas: o cubismo. Esse movimento tem como um dos seus principais representantes o grande Pablo Picasso.

Surgido na França no início do século XX, o cubismo tem como principal característica o seu uso das formas nas figuras representadas, apresentando todos os objetos da pintura em um plano frontal, sem se preocupar com as dimensões ou a fidelidade com a aparência real dessas figuras. Essa fragmentação seguiu tão forte que em muitas pinturas é impossível reconhecer uma figura próxima de algo real, isso porque o cubismo nega a ideia de arte como imitação da natureza. O marco do surgimento desse movimento é 1907 com a obra Les Demoiselles d’Avignon, de Pablo Picasso.

Les demoiselles d’Avignon, de Pablo Picasso (Imagem: Reprodução)

Não podemos deixar de destacar que o cubismo teve suas fases. A primeira delas é a fase Cezannista ou Cezaniana, marcada pela influência das obras do artista plástico francês Paul Cézanne com o seu uso de formas geométricas distorcidas.

A segunda fase, o chamado Cubismo Analítico, não se preocupava com a realidade das formas representadas na tela, com suas imagens fragmentadas e com foco também no monocromático, o uso de poucas cores, geralmente o preto, o cinza e tons de marrom. Esse foi o Cubismo Analítico, desenvolvido por Pablo Picasso e Georges Braque.

Obra de Georges Braque (Imagem: Reprodução)

Já o Cubismo Sintético agrega outros materiais à pintura, como recortes de jornais, pedaços de madeira, dentre outros objetos encontrados no cotidiano das pessoas. Aqui, percebe-se também que o uso de cores se acentua e busca-se tornar as figuras reconhecíveis novamente, mas sem atingir o realismo, mantendo assim a essência do cubismo, que é apresentar todas as dimensões do objeto. Daí surgem as colagens características dessa derivação do movimento, que foram realizadas por artistas como Juan Gris.

Retrato de Pablo Picasso, de Juan Gris (Imagem: Reprodução)

No Brasil, o cubismo teve bastante influência em diversas obras, apesar de não haver aqui artistas exclusivamente cubistas na arte nacional. A influência do cubismo francês em obras brasileiras pode ser percebida após a Semana de 22 em obras de Tarsila do Amaral, Anita Malfatti, Rego Monteiro e Di Cavalcanti, que evidenciaram as formas em seus trabalhos na época.

Bando of Birds, de Alex Állen (Imagem: acervo da Montmartre Arte e Galeria)

O cubismo foi uma tendência de enorme relevância na História da Arte e entendê-lo, assim como entender as razões pelas quais as figuras eram representadas daquela forma, é um passo importante para nossa educação na Arte.

Vamos às dicas de hoje?

Para conhecer mais sobre essa tendência artística, recomendo a leitura de David Cottington

Aqui em Teresina, do dia 15 a 17 de junho acontece o 1º Farra – Festival de Arte na Rua, no Parque da Cidadania- Espaço cultural Trilhos.

Acontece até o dia 7 de julho na Casa da Cultura de Teresina a exposição “Naif: Entre Narrativas Singulares”, das artistas Carminha Mattos e Eliana Leão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *